Radio gorilla serves communities about COVID-19 prevention
12 de abril, 2021
Sky after 30 years: a brief biography of three biomedical research chimpanzees in Japan
13 de abril, 2022

Céu após 30 anos: uma breve biografia de três chimpanzés de laboratório e pesquisa médica no Japão

Muitos chimpanzés foram capturados na África para serem cobaias em laboratórios biomédicos nas décadas de 1970 e 1980. O Japão foi um dos países que mais “investiu” nesta prática, que só terminou em 2006. A fêmea Candy (foto) foi uma das chimpanzés capturadas para uso em pesquisa.

O resultado é um grupo de chimpanzés com traumas físicos e psicológicos, além de problemas de saúde crônicos em decorrência do que passaram. Felizmente, um grupo de renomados primatologists e pesquisadores da Universidade de Kyoto hoje coordena os cuidados especiais a estes chimpanzés no Santuário de Kumamoto.

Neste artigo, o Dr. Satoshi Hirata, diretor do Santuário, relata um pouco sobre a experiência de reabilitação e integração de alguns desses chimpanzés. “O fim da investigação biomédica não é o fim da questão, uma vez que existem portadores vivos de HCV que necessitam de cuidados especiais”, ressalta Dr. Hirata. (Jaqueline B. Ramos)

Os três últimos chimpanzés de laboratório e pesquisa biomédica no Japão

Por Dr. Satoshi Hirata (University of Kyoto – Kumamoto Sanctuary) Fotos: Kumamoto Sanctuary

Este ano, 2022, é o 10º aniversário da transferência de três chimpanzés para o Santuário de Kumamoto, Universidade de Quioto. Dois dos chimpanzés, Shoubou e Musashi, são machos, e o outro, Candy, é uma fêmea. Antes da mudança, eram submetidos à investigação experimental sobre a infecção pelo vírus da hepatite, e foram mantidos numa instalação pertencente a uma empresa biomédica privada. Foram importados das florestas africanas para o Japão entre 1980 e 1983. Quando foram importados, todos os três eram jovens, com idades estimadas entre 1 e 5 anos. Muitos outros chimpanzés foram igualmente enviados para o Japão para fins de investigação biomédica.

Em 1983, cerca de 150 chimpanzés já tinham sido importados para o Japão para investigação biomédica. O objetivo original desta investigação era o desenvolvimento da vacina contra a hepatite B, mas o foco acabou mudando para a investigação do vírus da hepatite C, que foi estabelecida por um ministério japonês e envolveu a colaboração entre várias organizações públicas e privadas. Mais tarde, no final dos anos 90 e início dos anos 2000, houve um debate crescente entre investigadores e outras partes interessadas sobre a suspensão do uso de chimpanzés em estudos invasivos. Como resultado, toda a investigação biomédica com chimpanzés no Japão parou em 2006. As instalações privadas de uma empresa farmacêutica que albergava a maioria estes chimpanzés no Japão nessa altura se converteram no Santuário de Kumamoto em 2011, definido como local para o futuro tratamento dos chimpanzés aposentados da investigação biomédica (Morimura et al. 2011; Hirata et al. 2020). Shoubou, Musashi, e Candy foram os últimos chimpanzés a permanecer nas instalações de investigação médica de outra empresa biomédica, até serem transferidos para Kumamoto.

Shoubou, Musashi, e Candy foram transferidos da empresa biomédica para o Santuário de Kumamoto em 15 de Maio de 2013. Até então, tinham sido mantidos em gaiolas individuais desde a sua importação para o Japão. Assim, tinham passado cerca de 30 anos sozinhos. As gaiolas tinham apenas 1,1,5 m de comprimento, largura e altura, respectivamente; este era o espaço total que lhes era dado para viverem. O teto, as costas e as paredes laterais de cada gaiola eram feitas de chapas de aço, e a frente era uma grade metálica. Os chimpanzés eram mantidos num laboratório em condições estritamente controladas; não havia qualquer luz solar.

A equipe que cuidava destes chimpanzés desejava um lugar melhor para eles, e com a compreensão e apoio da empresa, realizou-se a transferência dos chimpanzés para o Santuário de Kumamoto. Céu após 30 anos

Depois dos três últimos chimpanzés terem chegado ao Santuário de Kumamoto, o primeiro passo foi habituá-los ao seu novo ambiente. Durante 30 anos, nunca tinham pisado fora das suas pequenas jaulas; nunca tinham visto o sol, o céu ou o solo; nunca tinham visto árvores ou sentido uma brisa. Suas peles eram brancas como a neve.

Na natureza, os chimpanzés podem facilmente subir em uma árvore de 40 a 50 metros de altura. No entanto, os três chimpanzés não foram capazes de subir uma pequena plataforma. Movimentaram-se lentamente, e não correram. Depois de chegarem ao Santuário de Kumamoto, foram primeiro mantidos separadamente, em salas interiores, para que fizessem exercícios aos poucos.

Dez dias após a mudança, Candy foi liberada para sair sozinha para o parque infantil ao ar livre (Fig. 1). Infelizmente, era um dia nublado e o sol não brilhava, mas era ainda a primeira vez em 30 anos que Candy tinha estado ao ar livre, capaz de ver o céu. Candy espreitou da porta para fora, olhou em volta com cautela, e depois recuou para dentro. Ela não se atreveu a sair imediatamente. Mas depois de algum tempo ela saiu, e o parque estava coberto de plantas selvagens frutíferas e com outros tipos de plantas. Depois de sair, Candy cuidadosamente se abaixou e empilhou plantas para fazer um ninho, que se assemelhava aos ninhos feitos por chimpanzés selvagens.

Fig. 1 – Candy, ao ar livre, vendo o céu pela primeira vez em 30 anos

Candy deve ter passado algum tempo com a sua mãe na floresta africana quando era criança ou jovem, antes de ser capturada e enviada para o Japão. Durante esse tempo teria dormido em ninhos que a sua mãe, ou talvez até ela própria, tinha feito à noite e durante o dia. Os chimpanzés selvagens fazem ninhos dobrando ramos de árvores e plantas herbáceas, e Candy parece ter se lembrado deste aspecto da sua vida natural na África.

Dia após dia, Candy habituou-se lentamente a viver ao ar livre. O passo seguinte foi juntá-la a outros chimpanzés. Um macho chamado Black foi o primeiro chimpanzé que ela conheceu (Fig. 2). Black era um chimpanzé que era gentil com as fêmeas, e esperávamos que ele se desse bem com Candy. Candy, mais uma vez, não mostrou sinais do vazio comportamental de 30 anos que tinha vivido, e saudou Black com um cumprimento audível, ao estilo de um chimpanzé, “Ha ha ha”. Pouco depois, ela juntou-se a Black, abraçou-o e beijou-o. Depois disso, andaram de mãos dadas, fizeram “grooming” e mostraram um elevado grau de interacção social.

Fig. 2 – Candy abraçando Black por trás.

Os chimpanzés cativos que crescem sozinhos e isolados dos contacos sociais muitas vezes não desenvolvem comportamentos adequados a um chimpanzé. A razão para isto é que a experiência e a aprendizagem pós-natal são necessárias para que os chimpanzés desenvolvam plenamente comportamentos normais, tais como fazer ninho e saudações sociais. Candy resistiu 30 anos em isolamento, mas mesmo assim ainda se lembra de comportamentos que são normais para um chimpanzé.

Estratégia do inimigo comum

O processo de integração foi um pouco mais difícil para Shoubou e Musashi do que para Candy. A razão para isto é que os machos chimpanzés selvagens não se deslocam de um grupo para outro. Na sociedade dos chimpanzés selvagens, quando as fêmeas crescem, deixam o seu grupo natal e juntam-se a outro grupo onde se integram com novos companheiros. Por outro lado, os machos permanecem no seu grupo natal durante toda a sua vida. Quando dois chimpanzés desconhecidos se encontram, o encontro pode ser extremamente hostil. No Santuário de Kumamoto, se Shoubou e Musashi viessem a viver com outros chimpanzés, teriam de ser integrados num grupo só de machos, devido à política de não procriação do santuário.

Em primeiro lugar, Shoubou e Musashi foram reunidos no mesmo espaço. Ambos tinham sido mantidos na mesma instalação médica, mas nunca tinham estado juntos no mesmo espaço. Felizmente, no contexto da integração especial de Musashi e Shoubou, nenhum deles era fisicamente forte devido aos seus longos períodos de isolamento numa pequena gaiola. Ao contrário dos machos chimpanzés normais, saudáveis e musculados, Shoubou e Musashi aparentemente não tinham força para infligir lesões fatais um ao outro. Não se esperava, portanto, que nada de grave acontecesse, embora o pessoal do santuário permanecesse em alerta, pronto a intervir se necessário.

Na verdade, o encontro progrediu como esperado. Os dois chimpanzés saíram juntos para o parque infantil e no início foram bastante hostis um com o outro. No entanto, a hostilidade assemelhava-se mais a uma luta entre bebês do que entre machos adultos. Após um curto período de interação agonística, tanto Shoubou como Mousasi pareceram cansados; afastaram-se um do outro, e não interagiram mais. Cerca de 1h depois de terem se reunido no parque infantil, regressaram aos seus quartos individuais. Estes encontros, que duravam de 30 min a 1h de cada vez, repetiram-se todos os dias durante cerca de 1 semana, mas a distância social entre os machos não se alterou.

Como passo seguinte, foi implementada uma estratégia de “inimigo comum” para fazer com que os chimpanzés se tornassem mais amigos uns dos outros. Isto implicava mostrar a Shoubou e Mousasi um chimpanzé diferente. O cenário esperado era que Shoubou e Mousasi se tornassem aliados quando confrontados com o que eles pudessem perceber como um inimigo comum. Um chimpanzé chamado Shirou foi selecionado para este papel.

Shirou foi trazido para um parque infantil adjacente ao que Musashi e Shoubou estavam juntos. Havia um espaço aberto e uma rede de arame entre os parques infantis, para que Musashi e Shoubou não pudessem entrar em contato físico com Shirou, mas pudessem se ver e ouvirem-se claramente um ao outro. Quando Shoubou e Musashi viram Shirou, mostraram instantaneamente uma expressão facial “assustada”, aproximaram-se um do outro e abraçaram-se (Fig. 3). A partir desse momento, a distância física entre Shoubou e Musashi diminuiu, e eles começaram a interagir de várias maneiras durante os 30 min seguintes até serem levados de volta para os seus quartos. Assim, a estratégia do inimigo comum foi um sucesso. Esta estratégia também foi utilizada no dia seguinte, durante cerca de 30 min, e resultou num reforço da união entre Musashi e Shoubou. Na sociedade humana, os políticos utilizam por vezes a estratégia do inimigo comum para reorientar a insatisfação interna em relação a um país estrangeiro e para aumentar a coesão interna. Os humanos e os chimpanzés podem mostrar respostas psicológicas semelhantes a esta estratégia.

Fig. 3 – Musashi (atrás) e Shoubou (à frente) assustados com seu “inimigo comum” do outro lado de rede de arame

Havia outra razão pela qual Shirou foi selecionado como o inimigo comum. Tal como todos os chimpanzés, os do Santuário de Kumamoto mostram uma grande variedade de características comportamentais individuais, e em comparação com os outros chimpanzés machos, Shirou era um chimpanzé muito “moderado”. Com base na forma como se observavam mutuamente através da rede de arame durante longos períodos de tempo, Shoubou e Shirou pareciam tornar-se amigáveis, pelo que foram colocados juntos. No início não se davam bem: Shoubou agarrou Shirou subitamente e eles lutaram. Mas o Shirou moderado não reagiu de forma tão violenta e continuou a pedir amigabilidade a Shoubou. Eventualmente Shoubou mudou a sua atitude e os dois chimpanzés se aceitaram.

Levaria demasiado tempo a explicar em pormenor o que aconteceu depois disso, mas a introdução de Shoubou e Musashi a outros chimpanzés prosseguiu gradualmente, e teve em conta a personalidade e a compatibilidade social de cada chimpanzé. Através deste processo, Shoubou e Musashi adquiriram gradualmente as competências sociais necessárias para viver em grupo com outros chimpanzés.

O presente e o futuro dos chimpanzés aposentados

Os três chimpanzés aqui descritos ganharam músculos e a sua pele tornou-se negra como resultado de passarem muito tempo ao ar livre com os membros do seu grupo. O primeiro companheiro masculino de Candy, Black, faleceu em 2020, e ela é agora membro de um grupo diferente com um macho e oito fêmeas.  A estratégia de gestão do santuário inclui algumas mudanças no dia a dia dos membros do grupo, para simular a sociedade de fissão-fusão de grupos de chimpanzés selvagens. Candy é hábil em interagir com os machos e parece calma, mas uma vez excitada, mostra persistentemente o seu descontentamento com outras fêmeas. Penso que ela está a desfrutar da sua vida social como chimpanzé, com algum confronto e paz com outros membros do grupo todos os dias.

Shoubou e Musashi são membros de um grupo só masculino de 13 indivíduos. Este grupo está dividido em dois subgrupos com membros variáveis que imitam a fissão-fusão, como no grupo da Candy. Shoubou gosta de brincar com outros machos e envolve-se no grooming com todos no seu grupo. Ele adora comida e não tem inibições. Um dia, sem mostrar qualquer hesitação, agarrou uma cana-de-açúcar que outro macho segurava. Espantado com este comportamento grosseiro, este último soltou a cana de açúcar. Musashi tornou-se mais forte e desenvolveu bem os músculos da parte inferior do corpo. Todas as manhãs ele corre para o recinto ao ar livre e dá voltas. Outros machos maiores do que Musashi são por vezes irritados por ele e pela sua forma peculiar de atacar os outros de repente por trás, sem fazer barulho. Shoubou e Musashi não parecem ter um laço social estreito, uma vez que normalmente não se mantêm próximos um do outro; no entanto, quando um deles se envolve numa luta, o outro vai para ajudar. Assim, parecem ter um laço duradouro, embora frequentemente invisível, estabelecido durante os seus primeiros dias no Santuário de Kumamoto.

Candy, Shoubou, e Musashi foram todos experimentalmente infectados com o vírus da hepatite C (HCV), e têm actualmente níveis elevados de HCV no seu corpo. No momento da redação deste artigo, cinco outros chimpanzés do Santuário de Kumamoto tornaram-se portadores crónicos de HCV em resultado da sua utilização anterior em experiências biomédicas. Estes portadores de HCV mostram geralmente níveis séricos elevados de transaminase oxalacética glutâmica, transaminase glutamato-piruvato, e transpeptidase gama-glutamil, o que indica algum grau de dano hepático. Três delas (Susumu, Kumiko e Akina) tendem a sangrar persistentemente se estiverem feridas, mostram hipermenorreia, ou epistaxe inexplicada; são também consideradas sintomáticas da sua infecção pelo HCV, o que causa problemas de hematopoiese. É dada especial atenção ao cuidado destes chimpanzés, incluindo a administração contínua de medicamentos para mitigar os seus sintomas.

A utilização de chimpanzés para investigação biomédica invasiva no Japão começou em 1974 e terminou em 2006. No entanto, o fim da investigação biomédica não é o fim da questão, uma vez que existem portadores vivos de HCV chimpanzés que necessitam de cuidados especiais, como descrito acima. Foram também realizados estudos biomédicos invasivos sobre chimpanzés em outros países, e não apenas no Japão. Assim, presumo que questões semelhantes às aqui discutidas irão surgir quando os chimpanzés reformados forem alojados nesses países (Grimm 2017). A colaboração futura entre especialistas de todo o mundo permitir-nos-á identificar as questões que precisam de ser abordadas e considerar como podemos prestar os melhores cuidados a estes chimpanzés.

Publicação: 17 Fevereiro 2022

Fonte: https://link.springer.com/article/10.1007/s10329-022-00979-1 (full article with references)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.