Rupestrian grasslands of Brazil face dangerous threat
30 de julho, 2018
Facial recognition to combat wildlife trafficking
10 de janeiro, 2019

Ênfase em prevenção

Elisabete Weiderpass

Por Jaqueline B. Ramos

Entrevista com a Dra. Elisabete Weiderpass, médica e diretora-geral eleita da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc, sigla em inglês), para a revista Rede Câncer, do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), edição 42, Novembro 2018.

A partir de janeiro de 2019, a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc, na sigla em inglês), ligada à Organização Mundial da Saúde (OMS) e um dos principais institutos de investigação em câncer no mundo, será comandada por uma brasileira. A epidemiologista gaúcha Elisabete Weiderpass assumirá o cargo de diretora-geral da Iarc, sendo a primeira mulher eleita para o posto nos 53 anos de história da instituição.


Graduada em Medicina na Universidade Federal de Pelotas, em 1992, Elisabete Weiderpass tornou-se mestre em Epidemiologia pela mesma instituição dois anos mais tarde. É PhD em Epidemiologia do Câncer pelo Instituto Karolinska, na Suécia, onde é professora do Departamento de Epidemiologia Médica e Bioestatística. Atua nos países nórdicos também como pesquisadora no Registro de Câncer de Oslo, como professora de Epidemiologia Médica na Universidade da Noruega e no Samfundet Folkhälsan, organização não governamental finlandesa que promove estudos científicos e campanhas de disseminação de informações sobre saúde e qualidade de vida. Desde 2015, é membro do Comitê Científico da Iarc, onde já havia trabalhado nos anos 1990 e 2000.

Com a brasileira na liderança da Iarc, a expectativa é que a agência se volte ainda mais para a América Latina e para os países que necessitam de maior suporte para prevenir e conter casos de câncer. Elisabete já está há muitos anos fora do Brasil, mas afirma que acompanha o dia a dia do País nos temas relacionados à saúde e, em particular aos avanços nas áreas de prevenção e controle do câncer. “O Brasil é minha origem indissociável, onde vivi boa parte da minha vida e construí os valores que compõem parte im-portante da minha identidade. Por isso, me sinto muito próxima aos desafios que o País enfrenta”, ressalta, com orgulho. 

“A América Latina terá que enfrentar cada vez mais a situação de lidar comum número crescente de casos de câncer. Além de eventuais particularidades em cada região, os grandes desafios são a sensibilização quanto às políticas de prevenção e a necessidade de adequar a infraestrutura à capacidade de atendimento”
Elisabete Weiderpass

Confira a entrevista completa na revista Rede Câncer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *