Black está feliz! Veja o vídeo
14 de novembro, 2019
Comunicação e educação para o empoderamento do cidadão do século XXI
4 de dezembro, 2019

‘Propriedade’ ou ‘Pessoa’? Como os direitos dos animais podem abrir uma nova frente moral

Nota de introdução – por Jaqueline B. Ramos:

O caso da orangotango Sandra, na Argentina, foi um marco, pois pela primeira vez no mundo um animal não humano foi reconhecido como “pessoa” perante a Lei, detentor de direitos básicos que garantam sua não exploração e sofrimento. Este reconhecimento inédito fez com que a Juíza que deu o parecer determinasse sua transferência do zoológico de Buenos Aires, no qual vivia, há anos, sozinha em um espaço reduzido e exposta à visitação do público, para um santuário, para ter a chance de usufruir da melhor qualidade de vida possível em cativeiro – Sandra e vários outros animais nascidos e/ou criados há muito tempo em cativeiro não sobreviveriam na natureza, o que faz com que santuários sejam a melhor alternativa para o seu bem-estar.

A determinação da Justiça argentina aconteceu em 2015 e, por motivos práticos diversos, demorou quatro anos para Sandra ser finalmente realocada. Há pouco menos de um mês ela chegou ao Center for Great Apes, na Flórida, e, felizmente, está se adaptando bem. Veja notícias de Sandra aqui.

Para a Justiça, animais não humanos são considerados como coisas, objetos. Nos últimos anos profissionais de várias áreas vem trabalhando no sentido de mudar essa perspectiva, pois é uma das melhores formas de tirar animais não humanos de situações de maus tratos e prevenir que novos casos aconteçam. O caso da chimpanzé Cecília, que culminou com sua transferência de um zoológico na Argentina para o Santuário de Grandes Primatas de Sorocaba/GAP, no Brasil, em 2017 é um outro exemplo de marco de toda essa mobilização.

Esta matéria do The Christian Science Monitor mostra o panorama – voltado mais para os Estados Unidos – de algumas ações desenvolvidas pegando o gancho do caso de Sandra. Uma boa leitura para refletir sobre animais não humanos serem julgados como meras propriedades e se informar mais sobre o assunto.

Por Eoin O’Carroll (The Christian Science Monitor)*

Em uma reserva florestal no centro da Flórida, Sandra está se instalando em sua nova casa. Graças a uma decisão de 2015 de uma Juíza na Argentina, sua nova vida representa outro buraco na parede cada vez mais porosa que separa seres humanos de animais não humanos.

Sandra foi transferida do zoológico de Buenos Aires para santuário de grandes primatas na Flórida (Natacha Pisarenko-AP)

O orangotango de 33 anos é, de acordo com a juíza de Buenos Aires Elena Liberatori, uma “pessoa não humana” e, portanto, tem direito a algumas das proteções legais usufruídas pelo Homo Sapiens, incluindo o direito a condições de vida humanas, das quais ela agora desfruta no santuário Center for Great Apes em Wauchula, Flórida.

Para Minnie, um elefante asiático em um zoológico de Connecticut, a mudança para um santuário ainda não é tão clara. Em um último esforço para aplicar o rótulo de “pessoa” a Minnie, o Nonhuman Rights Project apresentou um documento complementar ao Tribunal de Apelação de Connecticut argumentando que, como pessoa, Minnie tem direitos de liberdade corporal protegidos por habeas corpus (um mandado não emitido na decisão argentina). O tribunal de apelação pode ouvir a questão já em janeiro.

A transferência de Sandra e a disputa legal sobre Minnie são apenas os últimos casos desse mês de uma mudança mais ampla na maneira como o público está entendendo a consideração moral de animais não humanos. A lei atual classifica os animais como coisas, sem posição legal. Nas últimas décadas, a ciência revelou que uma variedade de animais não humanos parece compartilhar características que antes se acreditava serem únicas para os seres humanos. Filósofos, ativistas e estudiosos do direito, estimulados por um público cada vez mais consciente sobre os animais, têm trabalhado para estabelecer a posição moral de nossos semelhantes, para mudar seu status de propriedade para pessoa.

“Definitivamente, há mais preocupação com animais não humanos do que há dez anos”, diz Lori Gruen, filósofa da Wesleyan University, especializada em ética animal. “Eu também acho que é verdade que muitas pessoas continuam usando animais em diversos contextos”.

Essa preocupação se aplica não apenas aos casos de destaque, como os de Sandra e Minnie, mas aos milhares de elefantes, golfinhos, orcas, chimpanzés e outros mamíferos conhecidos por suas sofisticadas habilidades cognitivas que são mantidos em laboratórios, zoológicos, parques temáticos de animais e atrações na estrada.

Entre eles, há os 44 chimpanzés idosos do laboratório de primatas Alamogordo, apoiado pelo National Institutes of Health (NIH), no Novo México. Havia sido definido que estes chimpanzés seria rebocados para um santuário federal de grandes primatas na Louisiana, mas o NIH reverteu sua decisão, depois de concluir que os chimpanzés não eram saudáveis ​​o suficiente para serem realocados.

A professora Gruen e muitos grupos de bem-estar animal denunciaram a reversão. “Os chimpanzés são indivíduos notáveis ​​que são tremendamente resistentes”, ela escreveu em um e-mail ao Monitor. “Nós os fizemos sofrer de inúmeras maneiras. Mantê-los afastados de uma vida mais satisfatória no santuário por causa do que fizemos com eles não faz sentido ético. “

O que é dito nas pesquisas

O sentimento público nos EUA em relação a animais não humanos parece estar mudando em favor dos direitos dos animais. Em 2015, a Gallup descobriu que quase um terço dos americanos disse que os animais deveriam receber “os mesmos direitos que as pessoas”. Em 2008, apenas 25% disseram isso. Apenas 3% da pesquisa recente disse que os animais “exigiam pouca proteção contra danos e exploração”.

A tendência pode estar se acelerando: uma pesquisa de 2018 que replica as perguntas da Gallup descobriu que quase metade dos entrevistados dos EUA disse que os animais deveriam gozar dos mesmos direitos que os seres humanos, e que quase 9 em cada 10 apoiam alguma forma de direito legal para os animais.

Mas Garrett Broad, professor de comunicações da Fordham University que conduziu a pesquisa, adverte que “direitos” e “animais” podem significar coisas diferentes para pessoas diferentes, o que ele aprendeu ao conduzir grupos focais.

“Encontrei realmente uma grande variedade de percepções reais dentro desses grupos sobre quais direitos eles realmente acham que os animais deveriam ter”, diz ele. “Algumas pessoas, ao responderem a essa pergunta, estavam realmente pensando apenas em animais de companhia, como cães e gatos”.

No entanto, o aumento do apoio aos direitos dos animais está valendo a pena, pelo menos para alguns animais.

Em setembro, a Califórnia se juntou a Nova Jersey e ao Havaí na proibição de espetáculos itinerantes envolvendo a maioria dos animais. Essas proibições estaduais fecharam vários circos em todo o país, incluindo dois dos maiores: Ringling Bros. And Barnum & Bailey e Cole Bros. 

“Estou esperançoso – não necessariamente otimista – de que nas próximas décadas realmente começaremos a perguntar como seria um futuro sistema político e cultural que dê aos animais a consideração que eu e muitos outros pensamos que eles merecem”, diz o professor Broad.

Pessoalidade (Personhood), ou algo completamente diferente

Mas esse sistema futuro deve atribuir status de pessoalidade (personhood) aos animais? A professora Gruen, cujo site, The last 1,000 rastreia os chimpanzés restantes usados ​​nas pesquisas biomédicas e comportamentais americanas, não tem tanta certeza. Ela concorda que, classificando, digamos, um chimpanzé, como um item de propriedade fica aquém. “Há algo de especial nas capacidades cognitivas, emocionais e nos modos de ser que os tornam bem diferentes das torradeiras”, diz ela.

No entanto, ela adverte que, ao expandir o conceito de pessoa, acabamos medindo a considerabilidade moral dos animais não humanos em termos de características que são importantes para nós – como a capacidade de resolver problemas – e não as coisas que tornam a vida dos animais significativa para si mesmas. 

“Parte da preocupação que tenho é que é uma estrutura muito centrada no ser humano”, diz ela. “E também deixaria de fora alguns dos animais que podem não parecer tão próximos de nós cognitivamente ou emocionalmente, mas que ainda assim são dignos de pensar como seres éticos que merecem nossa atenção”.

*Tradução livre da reportagem publicada no The Christian Science Monitor. Texto original em inglês aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *